BARF - Comida Crua Biologicamente Apropriada

Um bom dono de cão ou gato, preocupa-se com o seu bem-estar a todos os níveis e quer o melhor para o seu melhor amigo. Nesse sentido, é normal procurar por brinquedos, cuidados a ter, alimentação, ler sobre o assunto, etc.




De vez em quando, nesses temas que surgem sobre alimentação de cães e gatos, já me tinha cruzado com o tema "BARF" algumas vezes. Não sabia o que era até ler este livro que encontrei na Chiado Editora.


Ele é escrito por Miguel Pincho de Almeida, licenciado em Economia e Gestão em Management. Não é veterinário, nem cientista. É um dono como tu que estás a ler... Mas que decidiu saber mais, procurar e estudar esta alimentação. Não foi fácil e ele apresenta-nos os seus obstáculos.

Em Portugal, os veterinários, no curso, apenas têm duas cadeiras relacionadas à nutrição animal. Pouco...e como deves estar a calcular, não se fala em BARF. Daí talvez tu nunca tenhas ouvido falar também porque nenhum veterinário te referiu isso.






Mas vamos esclarecer o que é BARF. Significa Biollogically Appropriate Raw Food ou Comida Crua Biologicamente Apropriada e consiste em alimentar o teu cão ou gato da mesma forma que ele se alimentaria em estado selvagem.

Este livro aborda essa temática por várias "perspectivas":

  • Legitimidades e indústria veterinária (o porquê de existirem rações e porque é que não são assim tão saudáveis)
  • A História do BARF (como e onde surgiu)
  • O que é BARF
  • Alimentos Chave (ossos, ovos, frango do campo, peixe, tripa verde, vegetais e frutas, fígado, lacticínios, água)
  • Suplementação
  • Mitos (como: Ossos matam, A carne crua contém bactéria...)
  • Porções diárias
  • Como eu faço (partilha da experiência do autor)
  • JTD (jejum, transição e desintoxicação)
  • Benefícios do BARF
  • Pseudo Comida (legislação, o valor dos alimentos, a história da indústria alimentar canina e felina)
  • Viver Com BARF
  • Testemunhos

Para quem é vegetariano ou está a pensar nisso, aviso que o livro pode ser agressivo. Esta é uma temática que se discute: "eu sou vegetariano, respeito o direito dos animais à vida mas como faço em relação à alimentação do meu cão/gato?". Aqui fala-se em ossos, carcaças de animais mortos, etc. As imagens mentais e a ideia pode ser um bocadinho repugnante e nojenta até.

Depois vai muito da tua mentalidade e predisposição. Não vale a pena rejeitares algo que à partida não conheces.


Eu tenho toda a noção de que as rações secas processadas podem ser prejudiciais aos nossos animais. Percebo que um tipo de alimentação mais natural pode ser benéfico. No entanto, ainda não estou preparada para esta mudança gigante. Talvez porque a nossa sociedade não está de todo. Faz-me impressão dar ossos aos cães, dar tripa verde, carne crua, ovos... 
Carne cozida sem tempero e sal, percebo. Fruta, vegetais, percebo. Mas ainda há muita coisa a ser formatada na minha cabeça. Talvez por ser um tema tão pouco falado. Talvez por nenhum veterinário me dizer...

Outra coisa: o livro refere que consiste em alimentar como se eles se alimentassem no estado selvagem. Pois bem, eles evoluíram ao longo dos séculos. E de todo, não estão em estado selvagem por isso, acredito que as necessidades deles tenham mudado. Acho que esta alimentação pode ter mais valias mas acho que ainda tem de ser mais estudado e adaptado.


No entanto, acho que este livro pode fazer como fez a mim, abrir a mentalidade das pessoas para que se tornem mais reflexivas sobre o assunto. Afinal, é o bem-estar dos nossos animais que conta, certo?

Eu não me converti ainda mas fiquei sensibilizada. Quem sabe se não adopto esta alimentação, aos poucos e poucos e vejo a saúde dos meus melhores amigos a melhorar?

Com uma boa gestão, não se gasta assim tanto. Dá para aproveitar os ossos das nossas carnes, os vegetais e cascas que usamos por isso, dinheiro não é desculpa. A tua vontade é. Tu só vês o que queres ver e o que procuras.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Obrigada pela tua dúvida, sugestão ou opinião.
Respondo sempre por baixo do teu comentário.